O significado da moralidade em V.X.E.: Dia do Juízo Final.

A semana passada marcou a chegada de V.X.E.: Dia do Juízo Final por Kieron Gillen, Valerio Schiti, Marte Gracia e Clayton Cowles, com uma capa principal de Mark Brooks e Sabine Rich. Ele apresentam Os Eternos, criado por Jack Kirby, os Vingadores e X-Men, criados por Kirby e Stan Lee.

Nas páginas finais da edição, os Vingadores e os Eternos renegados armaram um plano para combater a Guerra Santa que colocará os Eternos contra os mutantes. Eles vão criar um deus capaz de reescrever as escrituras e acabar com a guerra. Mas reescrever as escrituras é uma estratégia imoral, um plano de ação viável, ou um imperativo moral?

Os melhores planos de Vingadores e Eternos

Um contexto adicional para o plano que Ajak e Makkari,  onde fazem uma proposta a Tony Stark nos painéis finais, pode ser encontrado em Eternos: Celestia #1 por Gillen, Kei Zama, John Livesay, Matthew Wilson, Cowles e Esad Ribić. Nessa edição, com o subtítulo ‘ A Completa Falta de Progresso de uma Peregrina’, foram detalhadas informações sobre o Progenitor, o Celestial no qual os Vingadores estão atualmente sediados.

O Progenitor chegou à Terra quatro bilhões de anos no passado e prontamente morreu, dando à luz “tudo o que é estranho na Terra através de seus fluídos”.

Ajak e Makkari viajaram para a Montanha vingadores e confrontaram Motoqueiro Fantasma sobre a blasfêmia que estava sendo cometida pelos Heróis Mais Poderosos da Terra. Como os Vingadores se atrevem a esculpir buracos através do Celestial Divino?

No entanto, Robbie Reyes revelou que não havia nenhuma blasfêmia sendo cometida. Os Celestiais tinham dado permissão aos Vingadores para habitar o falecido Progenitor.

A moralidade de se reescrever a religião.

É imoral reescrever a tradição religiosa para servir aos seus próprios fins? Há muitos precedentes históricos. Uma dessas histórias é exemplificada através da história do Natal. Enquanto muitos aceitam as armadilhas associadas às celebrações tradicionais de Natal, essas tradições na verdade derivam de rituais romanos e pagãos que foram incorporados pela Igreja Católica para adoçar a pílula que é o cristianismo.

Os rituais roubados das tradições pagãs incluíam a prática de acender velas, fogueiras e outras fontes de luz para afastar a escuridão das noites mais longas dos anos. Tais rituais formam as bases das tradições de pendurar luzes na casa ou na árvore para celebrar o Natal.

A tradição romana previa a época do ano em que o Natal é comemorado atualmente. Embora se acredite que a figura histórica de Jesus tenha nascido em uma época diferente do ano, a celebração do Natal migrou para o meio do inverno para cooptar o feriado romano da Saturnália, um festival de duas semanas em homenagem a Saturno, seu deus da agricultura.

No início deste mês, no início de julho, me vi presa no trânsito atrás de um SUV com apenas um adesivo de para-choque. Sob uma manjedoura cheia de palitos estava o slogan: “Mantenha Cristo no Natal”. A declaração implica que Cristo é parte integrante do feriado, tanto que removê-lo seria remover o próprio fundamento da celebração. Esta mensagem é tão importante que o proprietário do veículo sente que deve ser exibida para quem estiver dirigindo atrás dele trezentos e sessenta e cinco dias por ano.

No entanto, conhecendo a história do feriado relatada acima, fica claro que a essência do ‘Natal’ está longe de ser imutável. De fato, o propósito original dos elementos do feriado indicados pelo adesivo começou como rituais celebrando uma divindade totalmente diferente.

Prometeu pós-moderno da Marvel.

O plano proposto pelos Eternos renegados nas páginas finais da edição pode ser visto como análogo ao processo pelo qual o cristianismo cooptou elementos das religiões que o precederam e os redirecionou para seus próprios fins. Em vez de tentar substituir inteiramente os feriados com os quais os pagãos e romanos já tinham uma conexão emocional, eles pegaram aspectos dessas celebrações e os incorporaram ao Natal. Em certo sentido, eles ‘reescreveram’ as escrituras não escritas da tradição.

Ao usar o Progenitor para fazer seu próprio deus e reescrever as escrituras, os Eternos e os Vingadores podem executar uma manobra semelhante. O Progenitor é parte integrante da religião dos Eternos, assim como os rituais descritos acima eram parte integrante da vida das pessoas que os praticavam.

Além disso, ao cooptar essas tradições de longa data, essas tradições podem ser redirecionadas para objetivos que seriam inimagináveis ​​quando os elementos foram originalmente colocados em movimento. Claramente, os efeitos a longo prazo do Progenitor semeando tudo o que é estranho na Terra não foram previstos pelos Celestiais, considerando que eles tiveram que enviar vários batedores adicionais para determinar o que havia acontecido com ele. Isso significa que tentar preservar a tradição para honrar alguma “visão original” pura é um gesto fútil.

V.X.E.: O longo caminho para o Dia do Juízo Final.

Enquanto muitas das edições anteriores que antecederam V.X.E.: Dia Do Juízo Final #1 foram narradas pela Máquina,a própria Terra, esta edição foi narrada de uma nova perspectiva. Com base nas pistas fornecidas, parece provável que o narrador desta edição seja a divindade proposta por Ajak e Makkari, sugerindo que eles terão sucesso em sua empreitada (pelo menos em algum sentido).

Se o plano delas terá sucesso, ou não, e o deus recém-criado se comportará da maneira que eles desejam, ainda não se sabe. No entanto, suas motivações para criar a divindade são moralmente sólidas. Dado que os mutantes correm o risco de serem destruídos por causa dos ditames da ‘escritura’, e dado que a dita ‘escritura’ foi escrita durante e sobre circunstâncias que não têm relação com a situação atual, não há imperativo moral que possa justificar a preservação das dita escritura quando existe a opção de reescrevê-la.

No entanto, com tantos problemas restantes em V.X.E. evento (que vai até novembro), parece improvável que a construção do deus seja exatamente do jeito que os conspiradores planejaram. É inevitável que Ajak e Makkari acabem sendo punidas por trazer esse fogo aos heróis mais poderosos da Terra?

Texto Original por: Rebecca Kaplan em The Pop Verse.

THE OLD SHINOBI

Esta é uma tradução feita de fã pra fã. Não compre e nem venda scans. Todos os direitos são reservados à editora e às suas respectivas propriedades intelectuais. As cópias devem ser destruída após 24 horas caso o leitor não tenha direito de uso cedido pela editora original.

Equipe 4th Wall